COMO ENFRENTAR POSITIVAMENTE AS GRANDES E AS PEQUENAS TRIBULAÇÕES


SUGESTÃO DE QUEBRA-GELO:  “ O que, do seu passado, te trás esperança quando vem a sua memória?  (Lamentações 3:21)

LOUVOR/ADORAÇÃO:  “Digno é o Cordeiro(Casa de Davi) Canção do Apocalipse(Diante do Trono) Sobre as Águas(Toque no Altar)”

DÍZIMOS/OFERTAS:  Nossa Oferta deve ter a Marca da Generosidade (2 Coríntios 8:1-5) A palavra generosidadevem do latim generareque significa gerar, produzir, frutificar.”

O Generoso, então,  está sempre para realizar boas obrase para produzir frutos bons.”

Os irmãos Macedônios nos mostram qual é o perfil do cristão generoso.

  1. O cristão Generoso é movido pela Graça. “Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus  dada às igrejas da Macedônia.” (2 Coríntios 8:1). Contribuir para o cristão generoso é privilégio, benção, graça.
  2. Os cristãos Macedônios nos ensinam que a Graça de ofertar deve ser prioridade na vida. “pedindo-nos, com insistência, a Graça de participarem desta assistência aos santos.” (2Coríntios 8:4).  A graça de Deus era tal no coração deles, que sem nenhuma coação, mas movidos pelo Espirito de Deus, rogam que não “os deixem de fora desta graça de ofertar!”
  3. O cristão Generoso excede sempre no ato de dar. “porque posso testemunhar que, na medida de suas posses e mesmo acima delas, eles contribuíam de forma voluntária.” (2Coríntios 8:3). Os irmãos Macedônios excederam tanto a ponto de superarem as expectativas. Que nós como cristão também possamos ser movidos por esta Graça.

EDIFICAÇÃO: Como Enfrentar Positivamente as Grandes e as Pequenas Tribulações. (Mt.24:15-27).

No domingo anterior, vimos de modo geral os sinais dos tempos, e chegamos a algumas conclusões acerca deles:  Podemos agrupá-los sobre  três sinais:

1- Sinais que evidenciam a Graça de Deus: “A proclamação do evangelho à todas nações/ A salvação da plenitude de Israel.
2- Sinais que indicam a oposição a Deus: “Tribulação/ Apostasia/Anticristo.”
3- Sinais que indicam Julgamento Divino: “Guerras/Terremotos/Fomes.”  

A graça de Deus é manifesta na oportunidade de  salvação através de Cristo, estendida a humanidade durante a era que transcorre entre a  Primeira e Segunda Vinda de Cristo.

  1. Compreendendo a Grande Tribulação. “Quando, pois, virdes o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel, no lugar Santo. (Mateus 24:15).  A chave para entender este período, é a interpretação deste, abominável da desolaçãono lugar santo. No Livro do Profeta Daniel há três profecias que ele fala disto: (Daniel 9:27/11:31/12:11)

1ª: No ano 150 a.c. um rei Antioco IV Epifânes dominou Jerusalém e começou uma campanha intensa de acabar com os costumes judaicos e o culto a Deus. Mandou colocar um altar ao deus Zeus no templo de Jerusalém e sacrificou um porco (animal imundo para o judeu) no altar do templo. 2ª: No ano 70 d.c., os romanos dominam Israel e levam o candelabro e diversos utensílios do templo. Saquearam e profanaram o templo. Exatamente as palavras de Jesus em Mateus 24:15, que “ quando virdes o “abominável da desolaçãodo qual falou Daniel.”  3ª: Quando lemos direito vemos que ainda não se cumpriu esta profecia totalmente. As duas abominações desencadeou tribulação, mas não a MAIOR DE TODAS.  A Grande tribulação é o período que se segue ao momento que estamos vivendo.

2 O Povo de Deus Nunca Esteve isento de Tribulação.  (Mateus 24:9-10) “Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Neste tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar aos outros.” No sermão profético, Jesus fala da grande tribulação como um sinal dos tempos que deve ser esperado por seu povo ao longo do período entre sua primeira e segunda vinda.

3 Como enfrentar positivamente as grandes e pequenas tribulações.
A) As tribulações provam a nossa fé, isto é, revelam a qualidade dos alicerces onde construímos nossas vidas. As tribulações nos mostram que de fato somos.
Muitas pessoas  constroem suas vidas em alicerces falsos.. Cedo ou tarde estes alicerces, são desmascarados e tudo que está sobre eles pode ruir.
B) As tribulações produzem perseverança, isto é, nos fortalecem para enfrentar a vida. As dificuldades que enfrentamos no caminho, nos ajudam a encarar a vida e continuar. A medida que vamos encarando e superando as tribulações, vamos perdendo o medo.
C) As tribulações nos fazem pessoas maduras e integras, sem falta de nada. Descobrimos que as bases onde escorávamos nossa identidade e as fontes de onde tirávamos forças para viver eram falsas ou insuficientes.
D) Nas tribulações precisamos estar cheios de Esperança. A esperança é o combustível que nos alimenta em nossa jornada rumo ao futuro. A esperança é o óleo que unge nossa cabeça, a força que tonifica a nossa alma, a motivação que impulsiona a nossa caminhada.

CONCLUSÃO:  Nossa esperança não é uma expectativa vaga, mas uma certeza experimental. Não se confunde, porque o Amor de Deus é derramado em nossos corações.

Silvio Galli é o Pastor lider da Igreja Batista Água Viva de Mauá

Share

Assuntos Relacionados:

Web Design: